A história sobre a não existência de futuro, partiu de uma argumentação minha durante um almoço. O princípio do raciocínio é bastante simples: se deus não existe também não existe o destino e se o destino não existe, não existe futuro. Acreditar em destino é uma aberração maior do que acreditar em Deus, é achar que, para cada um dos bilhões ou trilhões de espermatozóides que fazem sua corrida diária existe já toda uma arquitetura formada do que acontecerá com ele nos próximos cem anos. Multipliquemos uma idade média de 80 anos de vida pela quantidade de espermatozóides em ação à cada dia. Aliás, a conta é maior, porque se existisse destino ele seria aplicado aos espermatozóides também, profetizando qual o eleito a fecundar. Então o destino quis que fecundasse o espermatozóide y em meio à corrida dis 150 milhões que partiram naquela maratona. E quer o destino que seja macho ou fêmea e quer que tenha uma boa fecundação, uma boa gravidez, um nascimento razoável e “caia” numa determinada classe social. Aí começa efetivamente a vida, começa a Operação Destino II. O sujeito cresce e vive oitenta anos (quantos dias?) e tudo o que lhe acontece é por “ser destino dele”. Ou seja, no momento da ejaculação do pai já havia um plano elaboradíssimo de sortes e vicissitudes não só escolhendo o espermatozóide que irá fecundar como tudo o que acontecerá com ele. Sim, se for assim, isso é futuro.

Mas está claro que esse raciocínio não se sustenta, que a vida se dá primeiro pela lei do mais forte (espermatozóide vencedor) e segundo por uma série de coincidências e acasos que vão surgindo no decorrer do tempo. Estudamos, temos emprego, amigos, mulher e filhos por estarmos sempre fazendo determinada coisa em determinado lugar. Não é o destino que faz você se casar. É o fato (coincidente) de estar naquela hora e  conhecer aquela pessoa naquele lugar e sentir-se atraído (mutuamente?) por ela. E se você está andando, leva uma bala perdida e fica tetraplégico, igualmente não foi o seu destino (que destino mais besta, né?) e sim a coincidência de alguém disparar uma arma e você estar justamente naquele instante naquele lugar de tragetória da bala.

Se entendemos bem que o destino é uma tosca invenção  humana (o homem precisa de uma justificativa metafísica tanto para as coisas boas quanto para as coisas ruins que acontecem e assim diz que isso ou aquilo era “seu destino”, vontade de Deus). Um pensamento no mínimo que ultraja Deus, colocando-o a fazer planos para três bilhões de habitantes só no planeta Terra porque deve existir vida em outros planetas e Deus é um só, correto? Assim, concluímos: Destino, como é pregado, não existe. Existem acasos e coincidências bem como a Lei do mais Forte. Esses elementos regem a vida e, como o nome já diz, acasos e coincidências não poderiam em nenhuma hipótese ser previsíveis o que nos leva a entender que o futuro não é previsível.

Mas como pode o Futuro não ser previsível? Se eu estudo, vou me formar no futuro. Se sou noivo, vou casar e ter filhos no futuro. Se fumo, vou morrer de câncer. Se roubo, vou para a cadeia. As coisas acontecem assim? Não! Algumas coisas acontecem, outras não acontecem e outras ainda acontecem de maneira completamente susrpreendente. E por que? Porque o futuro, por não existir, não é. Para isso precisamos falar do tempo. Gaston Bachelard, em seu estudo sobre o Instante cita Roupnel com sua máxima perfeita: “O tempo é uma realidade encerrada no instante e suspensa entre dois nadas.” Ou seja, o tempo é um conjunto conseqüente de instantes, como a linha é o seguimento de pontos.

O presente se esvai, escorre entre nossos dedos. Tudo o que vivenciamos, cada instante, cada ato, cada átimo de pensamento escoa compulsivamente do nosso presente e torna-se passado. Ou seja, de certa forma, não existe um presente mais ou menos perene, ele é movimento constante de instantes que se vão para o passado. Esse mesmo passado nos é inalcançável, não podemos vivê-lo porque ele se foi, não existe mais. O que é o passado? Alguma coisa que aconteceu. Podemos lembrar e evocar o passado, jamais interagir com ele porque ele simplesmente, não existe.Temos apenas uma faculdade física (elétrica) do cérebro que é a memória e somente na memória existe passado. O futuro, é um passado às avessas. Ele não existe em nossa memória porque não ocorreu e não existe de fato porque não está lá. O que se dá, é uma impressão. Futuro é a expectativa humana. Vivemos o futuro? Não. Agimos, nos relacionamos, nascemos, morremos, trabalhamos no futuro? Não! Todas as coisas que desejamos realizar e/ou as que não desejamos que se realizem creditamos ao porvir, projetamos em algo que não existe (mas acreditamos que possa vir a existir) e chamamos de Futuro. E aí temos a coincidência absurda do óbvio: Destino e Futuro, por irreais, não existem, são matéria de expectativa e explicação. Futuro é matéria de expectativa e Destino (de explicação, justificativa) é matéria de Passado e/ou Presente  (que, imediatamente, vira passado). Resta o presente, mas este, é tão rápido, tão repentino, tão abrupto, tão impalpável, que é melhor não contar muito com ele.

Podemos concluir que o tempo é uma manipulação humana extremamente bem elaborada e de profunda utilidade tanto como motor propulsor da ânsia da realização (e seu sucesso) como no amparo aos desvalidos e aos que sofreram revezes. Sem esse conceito, muito possivelmente a humanidade não teria chegado onde chegou.

Por isso o passado, o presente e o futuro, bem como a vida eterna são tão conveniente para a ordenação de todas as religiões

0 Responses to “Tempo”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Ela…

Ela...

Trocas

e-mail



Mini blog



"A descoberta do Prozac criou um universo de eunucos felizes"

"É-nos impossível saber com segurança se Deus existe ou não existe. Por isso, só nos resta apostar. Se apostarmos que Deus não existe e ele existir, adeus vida eterna, Alô, danação! Se apostarmos que Deus existe e ele não existir, não faz a menor diferença, ficamos num zero a zero metafísico" Albert Camus

Visite:
wwwgeraldoiglesias.blogspot.com

""Deve-se ler pouco e reler muito. Há uns poucos livros totais, três ou quatro, que nos salvam ou que nos perdem. É preciso relê-los, sempre e sempre, com obtusa pertinácia. E, no entanto, o leitor se desgasta, se esvai, em milhares de livros mais áridos do que três desertos."
Nelson Rodrigues

Do que se gosta?

  • Nenhum

Tempo…

agosto 2017
S T Q Q S S D
« jan    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

%d blogueiros gostam disto: