Máscaras

A proximidade (do carnaval) me lembra sempre a história dos mitos e das máscaras. Máscaras que, no fundo, são nossas personas, nossos avatares, nossos inúmeros “eus” (mesmo para aqueles que não entendem ou não acreditam em nada disso. O carnaval ‘coisifica’ o que fazemos o ano inteiro de maneira discreta). Através do trabalho, do estudo, das relações, da leitura e da escrita vamos experimentando máscaras que possam se amoldarem melhor à persoonalidade, ao instinto em que estamos no dia. Parece meio incompreensível ou falso, não é verdade? Mas é assim mesmo – até nos que não têm consciência dessas coisas que, num primeiro momento podem parecer uma espécie de engano ou aparentar  alguém de caráter claudicante. Mas não é isso. Somos todos assim, eu repito. O que incomoda é que existem pessoas que fazem mudanças enormes, drásticas, draconianas do seu “eu”. Na minha opinião é razoável que mudemos, que estajamos sempre nos reconstruindo como já disse inúmeras vezes aqui. Mas não podemos chegar ao absurdo, à troca frequente de acordo com humores porque a troca excessiva de humores nos encaminham ao paradoxo. A mudança em-si dificulta a compreensão do outro ou, pior, faz com que o outro não se dê atenção àquilo que o companheiro deseja exprimir. Esse desgaste é quase metafísico, vai além do nosso controle racional (e acho impossível a relação descontrolada, ainda que seja absurda). Nada contra o absurdo, nada contra o susto, nada contra o mar revolto. Tudo é aceitável – até mesmo o desconhecido, a surpresa – mas dentro de parâmetros em que não estejamos dentro de um… como um minotauro manso. O carnaval é a época apropriada para usarmos diversas máscaras por dia, trocarmos de hora em hora com o intuito de assustar aquele que pensava ter visto… e não viu, viu outra coisa. Exatamente para iso existem três dias de carnaval. Prefiros os mascarados de Veneza.

Anúncios

0 Responses to “Máscaras”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Ela…

Ela...

Trocas

e-mail



Mini blog



"A descoberta do Prozac criou um universo de eunucos felizes"

"É-nos impossível saber com segurança se Deus existe ou não existe. Por isso, só nos resta apostar. Se apostarmos que Deus não existe e ele existir, adeus vida eterna, Alô, danação! Se apostarmos que Deus existe e ele não existir, não faz a menor diferença, ficamos num zero a zero metafísico" Albert Camus

Visite:
wwwgeraldoiglesias.blogspot.com

""Deve-se ler pouco e reler muito. Há uns poucos livros totais, três ou quatro, que nos salvam ou que nos perdem. É preciso relê-los, sempre e sempre, com obtusa pertinácia. E, no entanto, o leitor se desgasta, se esvai, em milhares de livros mais áridos do que três desertos."
Nelson Rodrigues

Tempo…

fevereiro 2010
S T Q Q S S D
« jan   mar »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728

%d blogueiros gostam disto: