Flores ou Asfalto

Vez ou outra acabo esbarrando com alguém na rua que se apressa em me perguntar o que estou fazendo. Essas perguntas trazem, misturadas, curiosidade e, eventualmente, um tico de saudade (ou de prazer em me ver longe). Isso não importa muito nessa altura dos acontecimentos. Pessoas, tais como baterias pouco recarregáveis, têm um tempo para cada coisa (mesmo que em alguns momentos fiquem sem tempo para dar conta de tudo). Certo ou errado, acredito que chega uma hora em que a gente tem que parar, ver o que acontece em volta, que rumo as coisas estão tomando, como estamos de saúde, como estão os nossos, assim como lembrar dos que se foram.

Ao final de dezenas e dezenas de anos dedicados quase que  exclusivamente ao trabalho, é o momento de nos perguntarmos se queremos isso indefinidamente, se como bons atores, desejamos morrer num palco ou se não é oportuno cuidar das feridas, ler uma coisa ou outra, velejar em mares diferentes, etc. Acho que sim, que é isso. Claro, o mais importante é tratarmos as feridas, as doenças, os achaques da velhice e depois permitirmos-nos um pouco de paz e de apreciação do belo. Eis a chave de tudo: a alma em paz com as missões cumpridas e dar oportunidade ao belo. Quem morre sem conhecer a beleza da vida, não viveu. Quem, no final das contas, guarda ódio se afogará na bílis (ou bile, se preferir). Eu prefiro caminhar à beira mar, perceber as flores, as corujas… prefiro que me esqueçam.

 

Anúncios

0 Responses to “Flores ou Asfalto”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Ela…

Ela...

Trocas

e-mail



Mini blog



"A descoberta do Prozac criou um universo de eunucos felizes"

"É-nos impossível saber com segurança se Deus existe ou não existe. Por isso, só nos resta apostar. Se apostarmos que Deus não existe e ele existir, adeus vida eterna, Alô, danação! Se apostarmos que Deus existe e ele não existir, não faz a menor diferença, ficamos num zero a zero metafísico" Albert Camus

Visite:
wwwgeraldoiglesias.blogspot.com

""Deve-se ler pouco e reler muito. Há uns poucos livros totais, três ou quatro, que nos salvam ou que nos perdem. É preciso relê-los, sempre e sempre, com obtusa pertinácia. E, no entanto, o leitor se desgasta, se esvai, em milhares de livros mais áridos do que três desertos."
Nelson Rodrigues

Do que se gosta?

  • Nenhum

Tempo…

março 2009
S T Q Q S S D
« fev   abr »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

%d blogueiros gostam disto: