A leitura do “outro”

Escrever a gente escreve qualquer coisa. Ler também. Difícil é perceber o que se está querendo dizer verdadeiramente. Principalmente quando escrevemos uma coisa querendo dizer outra. Acontece muito por aqui. Aliás, sempre aconteceu. Mas não ocorre apenas nas coisas escritas mas também nas faladas. A maior dificuldade do ser humano é fazer-se compreender. Existe uma espécie de “pé atrás” em quem lê e escuta, meio que esperando sempre um deslize, um exagero, um falha qualquer para renegar todo o conceito que foi passado. Incongruências humanas…

Anúncios

1 Response to “A leitura do “outro””


  1. 1 K. - Incompletudes 09/11/2008 às 10:03

    Ainda bem que os escritores, compositores, cantores, escrevem, compõem e cantam para si, não para os outros.

    Só jornalista tem que se fazer entender “por obrigação”..rs..rs..rs.. por isso, cada dia mais, estou me distanciando dele.

    sou egoísta.

    aliás, diga-me: um blogueiro escreve para si ou para outros?

    beijos


Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Ela…

Ela...

Trocas

e-mail



Mini blog



"A descoberta do Prozac criou um universo de eunucos felizes"

"É-nos impossível saber com segurança se Deus existe ou não existe. Por isso, só nos resta apostar. Se apostarmos que Deus não existe e ele existir, adeus vida eterna, Alô, danação! Se apostarmos que Deus existe e ele não existir, não faz a menor diferença, ficamos num zero a zero metafísico" Albert Camus

Visite:
wwwgeraldoiglesias.blogspot.com

""Deve-se ler pouco e reler muito. Há uns poucos livros totais, três ou quatro, que nos salvam ou que nos perdem. É preciso relê-los, sempre e sempre, com obtusa pertinácia. E, no entanto, o leitor se desgasta, se esvai, em milhares de livros mais áridos do que três desertos."
Nelson Rodrigues

Do que se gosta?

  • Nenhum

Tempo…

novembro 2008
S T Q Q S S D
« out   dez »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

%d blogueiros gostam disto: