A projeção de um fim escorregadio, falso

Tenho a impressão de que esse é meu último fim de semana em casa. Nos outros estarei trabalhando, me desesperando, chorando pelos cantos como um bebê chato. Bebês são chatos. Homens são chatos em sua eterna burrice. Muitas vezes sinto-me obrigado a falar com pessoas que não me conhecem, que não conhecem o que eu conheço e conhecem coisas que não conheço. Essa divisão mal versada de gostos e conhecimentos afasta mais do que aproxima. Por engano ou inocência, achei que na velhice encontraria algum tipo de paz, algo como um porto seguro (o que não quer dizer necessariamente uma mulher), algo que me fizesse diminuir o número de pílulas, de garrafas de uísque ou seja lá que cabeçadas vou dando por aí. Não aconteceu, nada mudou e isso me preocupa porque, se nada muda realmente, continuo com o amargor na boca, com a ansiedade, a pressão no peito. Pessoas passam e eu, com jeito para não parecer mais maluco do que sou, afasto-as, digo que estou no meio de uma tarefa inadiável mesmo sabendo que é mentira. Quando mentimos para nós mesmos essa idéia de mentira se minimiza porque não estamos sendo maquiavélicos, não estamos aprontando para o outros… Não? Claro sim! Quando mentimos para nós mesmos institucionalizamos a mentira, banalizamo-as, fazemos dela uma verdade num universo de ponta cabeça. Não tenho esperanças de escapar dessa roda viva, não tenho esperanças de que nada se altere até porque não sei como eu me sairia num mundo diferentes, diverso desse que abomino. Os filósofos, por sua vez, me parecem muito fracos, frágeis, inocentes. Os medicamentos são sempre muito fracos e deus, coitado, precisa ser inventado e reinventado por cabecinhas tolas. Entrego-me a um sono (induzido), busco vivenciar os personagens que leio, começo a perder a esperança em me desconstruir sempre porque a argamassa é a mesma.

Anúncios

1 Response to “A projeção de um fim escorregadio, falso”


  1. 1 K. - incompletudes.wordpress.com 16/06/2008 às 9:23

    Era tão bom quando você atendia meus telefonemas…rs..rs.rs..

    feiooooooooooooooooooooooo…

    te liguei ontem!!!!

    beijo!!!

    discutir Martin Page por email não dá!!! rs rs rs
    mas, eu gostei dele também… não tanto quanto imaginava….. mas, estou quase livre (ainda falta uma semana), do excesso de trabalho, ai terei mais tempo…

    e quem sabe você pára de ignorar minhas ligações???

    :P

    S A U D A D O N A


Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Ela…

Ela...

Trocas

e-mail



Mini blog



"A descoberta do Prozac criou um universo de eunucos felizes"

"É-nos impossível saber com segurança se Deus existe ou não existe. Por isso, só nos resta apostar. Se apostarmos que Deus não existe e ele existir, adeus vida eterna, Alô, danação! Se apostarmos que Deus existe e ele não existir, não faz a menor diferença, ficamos num zero a zero metafísico" Albert Camus

Visite:
wwwgeraldoiglesias.blogspot.com

""Deve-se ler pouco e reler muito. Há uns poucos livros totais, três ou quatro, que nos salvam ou que nos perdem. É preciso relê-los, sempre e sempre, com obtusa pertinácia. E, no entanto, o leitor se desgasta, se esvai, em milhares de livros mais áridos do que três desertos."
Nelson Rodrigues

Do que se gosta?

  • Nenhum

Tempo…

junho 2008
S T Q Q S S D
« maio   jul »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

%d blogueiros gostam disto: