A bendita Terceira Idade

Dia desses João Ubaldo escreveu um excelente crônica falando do envelhecer, dessas promessas tolas de nos fazem com a tal Terceira Idade, Real Idade, etc. Depois de Ubaldo não há nada mais a ser dito. Mas, como o tempo não corre somente para ele, vejo-me aqui ouvindo as gargalhadas do tempo, sua ironia prevalecendo apesar do meu desdém. Sim, fico um pouco mais velho. Pensei em mentir sobre minha idade, mas é impossível: as marcas em meu rosto e corpo (mal tratado) me denunciam. Algumas pessoas me perguntam o que eu queria receber de presente e à todas respondi que almejava uma bengala. Ninguém deu. E, como neurótico ansioso que sou, fui lá e comprei uma bengalinha bacana, tipo a do Bat Masterson (sei, sei, vocês nem imaginam de quem se trata). Mas realmente não posso me queixar. Todos os meus amigos têm sido muito carinhosos comigo. Isso me basta e me satisfaz. Claro que eu vislumbro a velha, envolta em panos negros carregando a foice nessa fila de gente que se aproxima. Não me assusto. Desdenho. Vou pagar a alguém para entrar na fila sempre antes da foice, vou adiar o quanto puder. Quando não der mais tenho certeza que vou me tornar um santo, um anjo vestido de branco e sentado sobre nuvens de algodão à direita de Deus Pai Todo Poderoso (ahahahah). Viu? Isso já é resultado das “benesses” da Real Idade. No mais… o quê? Nada. Nem a cervejinha para refrescar chega a ser uma novidade (segundo alguns (muitos litros de uísque hahaha). Taí. Pois isso realmente me frustra: você chega na Terceira Idade, esse monumento maravilhoso que os jovens olham de longe e nem pussuir as tais várias garrafas de uísque para esvaziar -quer dizer: velho e pobre! rsrs. Claro que sempre tem aquela alma que te responde: mas com saúde, meu filho!! Saúde?? Convido qualquer um a visitar minha farmacinha particular. Tomo remédio para tudo e, principalmente me precavenho muito negando-me a fazer qualquer exame. Não quero saber como vão minhas “taxas” de nada! Ignorância, dirá um apressadinho de plantão. Sim, prefiro ser um ignorante feliz do que um terminal infeliz!

Tudo começou quando percebi que as pessoas me chamavam de senhor e de seu Geraldo. Caramba, isso sim é duro! O cara se aproxima e pergunta: Quantas câmeras o senhor vai usar nessa cena, seu Geraldo? Minha vontade e de jogar a câmera em cima do desgraçado. Chego no meu barraco e o porteiro diz: ‘Boa noite, seu Geraldo’. Eu murmuro alguma coisa e saio correndo. Por fim, olho-me no espelho (contrário a Dorian Gray) e vejo aquele velho de barba branca, de olhar cansado, tossindo e tudo o mais. É verdade – penso comigo – tenho mesmo que aceitar essa história de “seu isso” e “seu aquilo”. Corro para o mar como as águas de março. Meu Caetano Veloso não tem barriga, mas os cabelos grisalhos não escondem sua idade. Vinícius. As últimas aparições de Vinícios são meu consolo: velho e barrigudo como eu (só que ele tinha talento e eu não! rs). “A gente mal nasce, começa a morrer” – dizia ele. Eu sei, eu sei, eu sei. Bom, agora é hora de receber as visitas ( que se resumem à minha velha mãe).

Anúncios

2 Responses to “A bendita Terceira Idade”


  1. 1 leve & Solto 22/03/2008 às 9:05

    Ei G, quer dançar comigo lá na festa do Priorado?
    Tenha certeza que não vou chamar vc de senhor.. odeio isso, pra mim quando a conversa é boa, não existe idade!

    bjo

    Mara

  2. 2 Mr. Almost 22/03/2008 às 4:52

    Bom post Geraldo! Do melhor! Está bem você, exactamente como você é , o “velho e pobre” seu Geraldo se insurgindo contra o mundo e desdenhando a morte!

    Deixa de pessimismos e vem tomar um copo lá na festa do Priorado: está chegando a hora de você actuar, precisa de se inteirar da trama, precisa até de dançar para perder essa barriga e reactivar esses músculos (rsss) e precisa, sobretudo de se divertir, com ou sem uísque. Se não quer beber, pronto, não bebe, não falemos mais nisso. Olha, fique olhando as moças, que já não é mau…

    Abraço!


Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Ela…

Ela...

Trocas

e-mail



Mini blog



"A descoberta do Prozac criou um universo de eunucos felizes"

"É-nos impossível saber com segurança se Deus existe ou não existe. Por isso, só nos resta apostar. Se apostarmos que Deus não existe e ele existir, adeus vida eterna, Alô, danação! Se apostarmos que Deus existe e ele não existir, não faz a menor diferença, ficamos num zero a zero metafísico" Albert Camus

Visite:
wwwgeraldoiglesias.blogspot.com

""Deve-se ler pouco e reler muito. Há uns poucos livros totais, três ou quatro, que nos salvam ou que nos perdem. É preciso relê-los, sempre e sempre, com obtusa pertinácia. E, no entanto, o leitor se desgasta, se esvai, em milhares de livros mais áridos do que três desertos."
Nelson Rodrigues

Do que se gosta?

  • Nenhum

Tempo…

março 2008
S T Q Q S S D
« fev   abr »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

%d blogueiros gostam disto: