As dificuldades na criação de uma televisão

Num determinado momento, fui obrigado a redesenhar meus projetos pessoais em função da demanda na televisão. Normal. Só me incomoda o clima tenso, mais nada. Está claro que a TV Pública veio para ficar, o que eu acho bom, mas faltam ajustes sobre o que sobrou da extinta TVE (que, no momento ficou como prestadora de serviços para a TV Pública). Imagino que o nascimento de uma TV provoque naturalmente uma certa confusão, pessoas com idéias novas, propostas diferentes e tal. Falta normatizar, criar uma grade de programação que o público entenda e se acostume. Falta à extinta TVE a percepção do seu novo papel, de prestador de serviços. Principalmente, para que os resultados fiquem corretos em forma, conteúdo e estética… que haja harmonia. Isso não há, é um momento de tormenta, confuso onde os papéis não estão claros ou se estão, não estão sendo percebidos. É necessário que a medida provisória que cria essa TV Pública seja imediatamente aprovada no Senado para que tudo se organize, para que exista verba para produzir e, finalmente para que se definam claramente os papéis de cada um. Definitivamente. No momento há muita tensão, muita resistência (como se estivessem sendo invadidos) de um lado e não entendimento do outro, achando, por engano, que o material humano estava “acomodado”. Realmente não estava. Ou seja: nem uma coisa nem outra. Apenas seguia-se uma grade prévia porque, repito, para se conseguir qualidade em todos os sentidos, é necessário que se entenda perfeitamente o que está sendo feito bem como o público precisa saber o que vai assistir, quando e onde.

Mas acredito que esse processo mais tormentoso seja passageiro e normal pela novidade. O que não se deve perder de vista é que as coisas não podem ficar muito tempo na expectativa da novidade, é necessário um desenvolvimento claro, uma proposta ainda que plural, mas firme e centrada porque só aí desenvolve-se a qualidade pretendida por todos. Por mim, pelo menos. O próprio ritmo do veículo televisão é completamente diferente – mais rápido – do que o do cinema, teatro, literatura e artes plásticas porém tem igual ou MAIS responsabilidade com o conteúdo e a estética.

Anúncios

1 Response to “As dificuldades na criação de uma televisão”


  1. 1 cochisepoeta 05/03/2008 às 21:47

    huhu
    há algum tempo (dois ou três dias) desisti de acompanhar esse blog.
    Você posta muito rápido.
    Estou sem tempo.
    Mas continue. Uma lei que sigo é a de comentar.
    Quando tiver tempo vou tirar umas horas para ler o que está acumulado e comentar tudo de uma vez.
    Té.

    OBS.: Talvez sua paranóia ou curiosidade já tenha feito perceber que estou sempre acompanhando as postagens grandes de K.
    A explicação é simples.
    O texto dela é fluido. O seu é denso.
    é preciso mais força de vontade para te ler. É precsio estar 100% presente na hora.
    E isso significa que meu sono e cansaço físico me fizeram escrever isso sem ler uma linha d que postou nos últimos dias.


Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Ela…

Ela...

Trocas

e-mail



Mini blog



"A descoberta do Prozac criou um universo de eunucos felizes"

"É-nos impossível saber com segurança se Deus existe ou não existe. Por isso, só nos resta apostar. Se apostarmos que Deus não existe e ele existir, adeus vida eterna, Alô, danação! Se apostarmos que Deus existe e ele não existir, não faz a menor diferença, ficamos num zero a zero metafísico" Albert Camus

Visite:
wwwgeraldoiglesias.blogspot.com

""Deve-se ler pouco e reler muito. Há uns poucos livros totais, três ou quatro, que nos salvam ou que nos perdem. É preciso relê-los, sempre e sempre, com obtusa pertinácia. E, no entanto, o leitor se desgasta, se esvai, em milhares de livros mais áridos do que três desertos."
Nelson Rodrigues

Do que se gosta?

  • Nenhum

Tempo…

março 2008
S T Q Q S S D
« fev   abr »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

%d blogueiros gostam disto: