O Grito Primal de cada homem em seu mundo – Quando falta a geléia que unta.

Ontem tive tempo para conversar longamente com um amigo. Claro que falamos muito mais de insanidades do que dessa realidade imposta. Existe um “comportamento exemplar” esperado pela sociedade. Mas quem definiu o que é esse comportamento? Quem faz as regras? Me dou o direito de subverter as regras impostas e agir como me agrada, como acho que devem ser as coisas e, para tanto, afasto-me da massa. Já escrevi que existem mundo paralelos, mas, percebo agora, não era o que eu imaginava. Existem, na verdade, milhares de mundos paralelos que são as pessoas dispostas a romper com o estabelecido e reescreverem seu script de vida. São os marginais, os malditos, os malucos. Muitos se arrastam pelas ruas falando sozinhos. Outros tantos estão presos em masmorras gradeadas de hospícios e outros tantos estão aí, à margem do estabelecido, incomodando os carneirinhos. Esses grupos são uma pedra no sapato de uma sociedade velha, carcomida, bolorenta. São os que discutem, questionam e dizem NÃO. São entraves, é verdade. A questão é que não são poucos, são milhares, talvez milhões. Num primeiro momento, parecem um exército de Brancaleone, andrajosos que se escoram nas artes, que pintam, escrevem livros (ou papéis esparsos), que moldam formas inenarráveis numa argila outra, num bronze diferente.

A sociedade “oficial” fica incomodada, coloca os marginais contra a parede sem perceberem que não existem as tais paredes, que as paredes estão dentro de cada um de nós, que os limites podem ser infindáveis, que até mesmo o conceito de guerra é outro, é interna, de si para si. Por isso a idéia de vários mundos, de várias realidades e verdades, de várias idéias individuais, indivisíveis em grupos. Assim está posto e não sei como e viabilizaria alguma homogeneidade. Impossível. São mundos diferentes. Existe um galáxia dentro do planeta Terra e existem várias galáxias fora da Terra. E se compreendemos as de fora, temos que entender as de dentro. É preciso aceitar o individualismo, a diferença não como algo metafísico, mas alguma coisa palpável – formas de pensar, agir e vivenciar.

Negar diferenças é negar a vida, negar a possibilidade de criação no curto espaço entre o nascimento e a morte. Temos todos esse divisor de espaço-tempo. Uma espécie de gincana em que ninguém está brincando. Todo mundo está experimentando sempre, caminhando para a frente, para os lados e, eventualmente, para trás. Faz parte do jogo. Deus não joga dados, nós jogamos. O peso do existencialismo paira sobre todos, mas apenas alguns se dão conta e embarcam de cabeça nessa proposta filosófica, nessa angústia de ver em cada mão, um verme como em A Náusea. Não ler a Náusea é não possuir certidão de nascimento, estar à margem de quem pensa, de quem propõe (e volta atrás ou não). Entender Quixote como louco é jogar uma fina e podre mortalha sobre o anseio humano. Não concluir a leitura dos versos do Paraíso Perdido de Milton, é inviabilizar-se, desconhecer todo o sentido do pensamento, fonte principal da existência. E existem bilhões de pessoas que fazem isso, que aceitam caminhar para o matadouro sem emitir um ruído, um grito de alerta, um grito primal. Por isso esse estranhamento em mim. É a incapacidade de cada um de abrir a cabeça, desnudar o espírito, voar, sem medo, para a Terra do Nunca e outras Terras.

Anúncios

4 Responses to “O Grito Primal de cada homem em seu mundo – Quando falta a geléia que unta.”


  1. 1 Enzo Pires Pena 14/12/2009 às 14:33

    Li seu texto e os comentários, um me chamou atenção pela idéia semelhante que tive a de Karl Gustav, ainda não li nenhum desses livros e tenho vontade de ler todos, agora então ainda mais. Como o Gustav eu vim atrás do grito primal, buscando minha infância, porque estou reouvindo as músicas que ouvia quando criança e redescobrindo o Tears For Fears e sua ideologia que antes eu não tinha despertado essa curiosidade e… Achei o que queria nesta página, realmente um grito em palavras, silêncioso em som, porém gritante! Não sei se é esperança criada pelos sonhos, mas as vezes penso que estamos melhorando em relação à alienação ao mesmo tempo que percebo mecanismos fortíssimos para a luta contra o grito, contra a atenação, consciêntizadão e liberdade. Como diz Zé Ramalho: “esperam nova possibilidade de verem esse mundo se acabar, a arca de Noé, o dirigível, não voam nem se pode flutuar!” Estou esperando essa possibilidade e sinto que há milhões à espera, o caminho não exite, agente anda capinando parecido, mas não igual, espero que este infinito roçar ainda me prepare muitas supresas.
    Logo volto pra ler mais! Curti imensamente seu grito!

  2. 2 Dalila Kopp Gaillard 10/09/2009 às 17:41

    Lendo o Janove compreendi que para ser aceito e ser interessante e preciso ser bastante neurotico e obediente dos padroes comportamentais tido como bons, por exemplo a pessoa que nao se expressa e tida muitas vezes como elegante!!
    quanto mais eu me conheço e me compreendo mais eu me distancio das outras pessoas, porque inflizmente elas ainda estao num profundo sono hipnotico

  3. 3 Karl Gustav 12/06/2009 às 23:37

    Vim atras do Grito Primal do Arthur Janov e encontrei coisa boa tb: seu discurso, gostei das referencias de livros que citou, que ja anotei, A Nausea, o Quixote e o paraiso Perdido, vou atras desses logo logo. Digo que gostei, muito.

  4. 4 Rafael 25/09/2008 às 13:28

    muito bom o texto. Realmente somos doutrinados a acreditar em verdades absolutas. A viver como escravos da sociedade e a esquecer nossos sentidos, vontades e necessidades.


Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Ela…

Ela...

Trocas

e-mail



Mini blog



"A descoberta do Prozac criou um universo de eunucos felizes"

"É-nos impossível saber com segurança se Deus existe ou não existe. Por isso, só nos resta apostar. Se apostarmos que Deus não existe e ele existir, adeus vida eterna, Alô, danação! Se apostarmos que Deus existe e ele não existir, não faz a menor diferença, ficamos num zero a zero metafísico" Albert Camus

Visite:
wwwgeraldoiglesias.blogspot.com

""Deve-se ler pouco e reler muito. Há uns poucos livros totais, três ou quatro, que nos salvam ou que nos perdem. É preciso relê-los, sempre e sempre, com obtusa pertinácia. E, no entanto, o leitor se desgasta, se esvai, em milhares de livros mais áridos do que três desertos."
Nelson Rodrigues

Do que se gosta?

  • Nenhum

Tempo…

março 2008
S T Q Q S S D
« fev   abr »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

%d blogueiros gostam disto: