Arar a Terra

Como é o filme que o cara vai remando, remando rumo ao horizonte e acaba batendo num fundo infinito de madeira azul (O Mundo de não sei o quê)? Pois é. Essa cena é muito mais simbólica do que parece a um olhar desatento. Existem outras formas de se fazer entender, como “malhar em ferro frio” e outras, mas não creio que sejam adequadas. A constância de diálogos, propostas, idéias, atitudes e tudo o mais que vamos fazendo invariavelmente é um ‘remar em águas cristalinas contra um belo horizonte’. A expectativa então é essa: remaremos, felizes, eternamente ou nosso barco vai dar um trombada num fundo infinito teatral, de madeira pintada de azul?

Interessante estar atento a que ambas as possibilidades existem e, ao olhar entusiasmado o horizonte, ainda no ponto de partida, não há como saber o que vem pela frente. Niilista e pessimista, acho que sempre trombaremos com o falso fundo infinito. Os crentes, saudáveis e corretos, apostam no contrário: num remanso eterno, céu e mar para sempre. Ambas as opiniões podem estar certas ou erradas. O limbo da vida, a possibilidade de.
A mim, muito particularmente, cansa muito essa história de eternas possibilidades. Preferia a coisa um pouco mais definida, clara. Não tenho a menor paciência com situações, locais e pessoas mutantes, que não são claras e lineares. Os críticos rapidamente sacarão aquela respostinha tolinha,  pronta e barata: “Ah, mas a vida seria monótona demais!”. Calma…. sem afogadilho… Usar frases de efeito para não ter que pensar é suicídio do espírito.

Falo de ter esperanças sobre a terra arada. Sobre a conveniência de se perceber logo se a terra não é apropriada para o plantio. Afinal, por falar em definições, temos a maior, de que a morte é certa. Se é certa, aparece outra certeza: a vida é breve. Pois então: se a vida é breve, deveríamos vivê-la plena e intensamente, gozando cada momento e juntos e de mãos dadas olharmos o sol nascente. A realização do ser não é um olhar o outro e sim, ambos, convictos um do outro, olharem para a frente.
Agora, se à cada esquina da vida iniciamos as coisas sem saber exatamente de nada, sempre com essa história de possibilidade de…. Qual é? Tem doido pra tudo, tem gente que acha isso o máximo, excitante e tal. Eu acho uma bosta.

Por essas e por outras, pela expectativa renovada e a crença na possibilidade, a sociedade caminha sem rumo, só existe como grupo, não podemos nos aproximar da massa. De longe, vemos apenas a sociedade que caminha. De perto percebemos desilusões, sofrimento e um certo desespero. E um grande mal nessa história é a tentativa e erro, tentativa e erro, crença e desilusão, crença e desilusão.
Se realmente “por trás de cada relógio existe um Grande Relojoeiro”, no caso desse planetinha o tal relojoeiro é míope, estrábico, indolente e, principalmente, burro.
Enfim, são coisas ditas ao léu, mas não faz mal pensarmos nelas deitadinhos na cama quente.

About these ads

2 Responses to “Arar a Terra”


  1. 2 Niine 28/11/2009 às 9:24

    que se usa pra arar a terra??????


Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Ela…

Ela...

Trocas

e-mail



Mini blog



"A descoberta do Prozac criou um universo de eunucos felizes"

"É-nos impossível saber com segurança se Deus existe ou não existe. Por isso, só nos resta apostar. Se apostarmos que Deus não existe e ele existir, adeus vida eterna, Alô, danação! Se apostarmos que Deus existe e ele não existir, não faz a menor diferença, ficamos num zero a zero metafísico" Albert Camus

Visite:
wwwgeraldoiglesias.blogspot.com

""Deve-se ler pouco e reler muito. Há uns poucos livros totais, três ou quatro, que nos salvam ou que nos perdem. É preciso relê-los, sempre e sempre, com obtusa pertinácia. E, no entanto, o leitor se desgasta, se esvai, em milhares de livros mais áridos do que três desertos."
Nelson Rodrigues

Do que se gosta?

Tempo…


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: